Histórias do Ayurveda no Brasil

A chegada do Ayurveda ao Brasil é um reflexo de sua expansão pelo mundo, que se dá essencialmente por dois motivos principais. Primeiramente, pela sua excelência como um completo sistema filosófico e prático em promoção de saúde e como uma abordagem eficiente, acessível e cativante. Em segundo lugar, destacamos o trabalho de mestres e vaidyas indianos que se deslocaram para o Ocidente e cuidaram de divulgá-lo para os diversos países desse continente.

Qualquer tentativa de descrição de uma história recente do Ayurveda no Brasil corre o risco de ser julgada injusta, especialmente na citação de nomes ou na personificação dos feitos e dos fatos. No entanto, correremos esse risco para não deixar de fazer justiça a algumas pessoas vitais para a inserção do Ayurveda no Brasil. Desse modo mencionaremos aqui apenas alguns dos nomes mais importantes e decisivos para a consolidação dessa prática em nosso país, especialmente em Goiás, com a licença de todos os que merecem ser lembrados nessa faixa da História.

O Ayurveda chegou oficialmente ao Brasil em 1985, por força de um convênio do Instituto Nacional de Assistência e Previdência Social (INAMPS) e do Ministério da Saúde com o Instituto de Ciência e Tecnologia Maharishi (IBCTM), liderado pelo guru indiano  Maharishi Mahesh Yogi. Este convênio foi proposto pelo IBCTM ao governo brasileiro com o objetivo de trazer para o país cursos de Meditação Transcendental e de Ayurveda, especialmente destinados para profissionais e clientes da rede pública de saúde.

Uma vez firmado esse convênio, ele foi proposto pelo Ministério da Saúde e pelo INAMPS aos diversos estados do Brasil.

 

Inicialmente três estados brasileiros aderiram ao convênio: Pernambuco, Rio de Janeiro e Goiás.